CBD no alívio da dor nas articulações

Artigo actualizado em Março, 2024

A dor nas articulações é um incómodo em uma ou mais articulações do corpo, podendo ocorrer com ou sem movimento, sendo por vezes grave e limitando o movimento em si. Neste artigo vamos explorar os benefícios do CBD no alívio da dor nas articulações olhando para o que a ciência já nos ensinou sobre o CBD e o alívio da dor.

As articulações são estruturas complexas, incluindo, além das extremidades ósseas, cartilagem, membrana, ligamentos e tendões. As articulações movem-se constantemente, e por isso, problemas nessas áreas não são incomuns.

Compreendendo a dor nas articulações

A dor nas articulações pode ser causada por diversas espécies de lesões e/ou doenças. Independentemente da causa, a dor pode tornar-se intensa. Como exemplo, temos a artrite reumatoide, uma doença que causa rigidez, dor e inflamação nas articulações. Alguns sintomas podem persistir por anos, e a condição pode progredir e intensificar-se com o tempo.

Neste breve artigo, apresentaremos estudos científicos que evidenciam o potencial do CBD no combate à dor articular.

O papel do CBD no alívio da dor nas articulações

Um dos principais usos da Cannabis é no alívio da dor crónica, especialmente a dor de carácter neuropático. O canabidiol (CBD), um dos elementos químicos mais explorados da cannabis, vem apresentando resultados promissores no contexto da dor articular, devido à sua interação com o sistema endocanabinoide. Este sistema regula diversas funções, incluindo a percepção da dor. O CBD interage com os receptores CB1 e CB2 do sistema endocanabinoide, presentes em diferentes partes do nosso corpo, incluindo o cérebro e o sistema nervoso central. Essa interação reduz a inflamação e a dor crônica, confirmando a importância do CBD no alívio da dor nas articulãções.

Evidências do CBD nas condições articulares

A pesquisa sugere os benefícios do CBD na redução da dor em murganhos submetidos a condições artríticas agudas.

[Referência da pesquisa: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32328386/]

O canabidiol (CBD), um constituinte não neurotrópico da canábis disponível comercialmente, tem-se mostrado promissor em modelos animais com artrite, atenuando as respostas imunes pró-inflamatórias. Pesquisas adicionais demonstraram o benefício do CBD na diminuição da resposta à dor endógena em camundongos submetidos a condições artríticas agudas, e estudos adicionais destacaram uma melhor cicatrização após o uso de CBD em fraturas.

Outro estudo no Journal of Experimental Medicine afirma que o CBD contribui para baixar os níveis de dor e inflamação. O CBD é uma alternativa de baixo risco e não causa dependência, conforme evidenciado numa revisão de estudos em 2018.

Estudos também indicam que o CBD pode ajudar de forma mais natural no tratamento de dores crónicas. Portanto, afirmam que o CBD é capaz de agir diminuindo a artrite.

Por fim, a ativação central desses receptores em células neurais mostra que o CBD é capaz de reduzir a dor, tornando-se uma substância com alto poder analgésico que melhora a qualidade de vida do paciente.

Benefícios adicionais do CBD para a saúde articular

Confira abaixo algumas doenças em que é benéfico o uso de cannabis:

  • Ansiedade
  • Artrite reumatoide
  • Artrose
  • Cancro
  • Dermatites, acne e psoríase
  • Doenças gastrointestinais
  • Dor neuropática
  • Dores de cabeça
  • Endometriose
  • Enxaqueca
  • Esclerose múltipla
  • Fibromialgia
  • Lesões musculares
  • Osteoporose

No entanto, é de suma importância lembrar que o CBD não é uma cura para a dor e deve fazer parte de um plano de tratamento que inclua mudanças na alimentação, exercício físico regulares e outros tratamentos médicos, conforme orientação. Se tem interesse no tratamento da artrite reumatoide, por exemplo, usando medicamentos à base da Cannabis, deve procurar uma equipa que tenha experiência no tratamento com este canabinoide. Lembramos também que o CBD não é recomendado para todos os tipos de artrite! Como sempre, consulte o seu médico antes de iniciar qualquer tratamento para um doença.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *